Filosofia
Filosofia

O Mito de Sísifo

Albert Camus parte da ideia de que qualquer questão filosófica, por mais interessante, complexa ou importante que seja, só tem algum significado se primeiro resolvermos a questão do suicídio. Nesse livro, Camus faz o mais nobre esforço analítico e filosófico para resolver essa questão.

Eutífron

Eutífron e Sócrates debatem se as atitudes moralmente corretas que tomamos, assim o fazemos por corresponderem a um comportamento desejado e afeito à divindade, ou se, por outro lado, tomamos atitudes moralmente corretas porque essas atitudes já carregam em si o elemento de correção e, assim, agradam à divindade.

Meditações

Para Marco Aurélio, a ética tinha uma importância claramente destacada, já que a prática das virtudes clássicas, como justiça, sabedoria e coragem; e das virtudes estoicas, como simplicidade, benevolência e aceitação, é o fundamento da existência de todo e qualquer indivíduo.

Édipo Rei

É uma obra tão importante de significados que Aristóteles considerou esta como o melhor exemplo da tragédia grega. Freud se baseou na história de Édipo para cunhar o termo Complexo de Édipo. E é realmente um texto surpreendente.

O Banquete

O Banquete seria, então, uma reunião com fartura de alimentos, bebidas e ideias. Porém, para além do festa, o que está em jogo é a defesa da Filosofia frente à outras artes, como a Política, a Tragédia e a Comédia.

Medeia

O que fazer quando toda a sua vida vira de cabeça para baixo? Quando o marido troca a esposa por outros interesses? Onde ficam os filhos no momento da vingança? Até onde vai a vingança de uma mulher traída?

Mênon

Ao final, e como é bem comum nos diálogos socráticos, Sócrates e seu interlocutor não conseguem responder a pergunta inicial. E talvez você se pergunte: então o livro não tem fim? E eu te respondo: Não!! E é ótimo não ter fim.

A Peste

A existência do ser humano é a marca desse livro. Existimos, ou vivemos, para quê, ou para quem? Diante de uma doença ficamos mais certos de que a vida não passa de um sopro, pois o que há entre a primeira aspiração e a última expiração é o que importa.

Sidarta

Sidarta nos ensina, sem a pretensão de fazê-lo, que nada somos e nada temos, e que as coisas ao nosso redor são o que são sem que para isso tenhamos que nomeá-las ou rotulá-las. Trazemos dentro de nós a capacidade de sermos o tudo e o nada, o claro e o escuro.